sábado, 6 de setembro de 2014

O QUE É SER HUMANO?





Um comentário feito por uma professora me instigou a uma reflexão. Surgiu um assunto sobre doação de sangue, e eu falava da importância dessa atitude humana das pessoas. A professora que passava para assinar o ponto comentou: -Você sabe em quais dias mais se doa sangue?  -Nem imagino retruquei: São as sextas e segundas, ou seja as pessoas doam sangue primeiro para alcançarem seu objetivo pessoal: Um atestado médico. Desconfio da palavra humano, disse ela"Essa questão ficou em suspenso em minha mente, até que há alguns dias atrás assisti o filme o Enigma de Kaspar Hauser,  caso real do século XIX na Alemanha de um indivíduo que passou 15 anos de sua vida longe de contato humano. O filme foi dirigido pelo cineasta Werner Herzog na década de 60,
Filme riquíssimo para diversas reflexões em várias áreas do conhecimento (filosofia, pedagogia, psicologia e sociologia) minha reflexão será no sentido do que realmente nos faz "humanos" e se esse ato civilizatório, nos faz "melhores" ou não.
Não vou entrar em detalhes sobre o filme, que recomendo, mas é preciso explicar para que possamos dar continuidade ao raciocínio acima exposto, de que o jovem encontrado em situação de quase "selvagem" começa a partir daquele momento ser inserido no mundo social, dos signos , dos processos linguísticos e da lógica racionalista do século XIX. E tudo isso soa estranho , muito estranho para um jovem, que apesar de não ter sido ensinado a ter regras morais, era visto por todos como uma pessoa agradável, afável, de bons sentimentos.
Sua lógica, apesar do esforço de seus mentores, era contrária a razão , tão em prática nessa época da história.
En uma das cenas do filme ele pondera " Porque as mulheres só ficam sentadas fazendo tricô" , uma reflexão crítica da posição da mulher naquele momento. Ou mesmo quando alguns teólogos querem forçar-lhe a acreditar em Deus " È preciso acreditar em Deus Kaspar" "Primeiro preciso aprender a ler e escrever, para depois acreditar em outras coisas"
Isso incomodava as pessoas daquele século que acreditavam que tudo aquilo que não se adequasse ao modelo considerado " normal e racional" era defeituoso, diferente e deveria ser adequado as regras.
Por fim, alinhando o que disse sobre a reflexão do que a professora falou , com a percepção que tive sobre o filme, começo a perceber que a cultura é uma das grandes responsáveis pela domesticação desse " animal humano". Mas até que ponto essa cultura que nos humaniza torna-nos melhores do que nascemos ? A que pretexto civilizamos, educamos nossas gerações? Para serem padronizadas em um mundo racional, civilizado, humano,. mas que contraria as aspirações mais profundas da pessoa?
As reflexões se aprofundam........

Nenhum comentário:

Postar um comentário