domingo, 2 de abril de 2017

O PERU DA CEIA

Há alguns anos me deparei com um autor, até antes desconhecido. Trata-se de Nassim Taleb, um libanês, escritor e que tem como profissão arriscar dinheiro na Bolsa de Valores. Ficou milionário com isso, e com o fato de que teria previsto a grande crise americana de 2008.
Dentre seus livros mais famosos estão a Lógica do Cisne Negro e Antifrágil. O primeiro nos ensina que a maioria das pessoas vive na mediocridade, e que o poucos são aqueles que conseguem estar acima da média, onde realmente acontecem as coisas importantes. E  apesar de que existem estudiosos que tentam de todas as maneiras seja através da Matemática , ou mesmo de outros que acabam por embarcar do misticismo, ainda assim todas essas tentativas são em vão, porque acontecimentos fora da média, acontecimentos extraordinários ocorrem aleatoriamente e não temos na atualidade condições de prevê-los. A esses acontecimentos Nassim Taleb coloca o nome de Cisnes Negros. UM exemplo de Cisne Negros recente teria sido os atentados das Torres Gêmeas.
Seu outro livro Antifrágil talvez possa ser visto como um complemento ao anterior, nos mostrando que apesar de os Cisnes Negros serem eventos que não podem ser previstos, é possível pelo menos se preparar para eles.
E esse preparo exige uma qualidade raríssima e pouco compreendida, muitas vezes confundida com outras. Chama se antifragilidade. Esse é um conceito que se confunde com resiliência, mas apesar de parecidos não são iguais, visto que a resiliência é a capacidade de um organismo em resistir a fortes impactos, sem no entanto se quebrar, permanecendo intacto. No entanto, apesar de uma qualidade positiva a resiliência não consegue aprender com o ocorrido e atualizar-se. É o que acontece com a antifragilidade, que além de resistir aos impactos dos acontecimentos, ainda se atualiza, aprende com a situação e em um próximo confronto terá uma vantagem estratégica.
Um exemplo bastante prático de antifragilidade seria nosso sistema imunológico que ao ser atacado , consegue aprender com a situação, guarda na memória biológica o que lhe adveio, e em uma próxima aproximação com virus e bactérias, terá uma resposta muito mais positiva.
Lendo Taleb me descobri frágil, que é o contrário da antifragilidade. Por ter apenas uma profissão, professor,  apenas uma renda estou a mercê de toda a aleatoriedade e instabilidade da economia brasileira. Estou me sentindo como aquele peru,( que Taleb usa como exemplo) que todos os dias recebe do dono da granja sua ração diária. Assim passam se os dias e o peru, tem certeza de que seu dono sempre irá alimentá-lo. E assim acontece até o dia 24 de dezembro. Naquele dia, para o peru nada é novo. Da mesma maneira sua expectativa é de que, a qualquer momento seu amigo venha alimentá-lo. Mas não é isso o que irá ocorrer. Naquele fatídico dia 24, o peru será a refeição. 
A diferença é que a leitura de Taleb, me fez perceber que sou a próxima vítima antes da ceia de Natal, mas me parece que isso me ajuda pouco, pois não consigo encontrar uma solução para o atual momento em que estou vivendo em minha carreira e vida econômica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário