quarta-feira, 30 de novembro de 2016

FAZENDO O MELHOR DE CADA MOMENTO






Estamos acostumados a viver em um mundo onde fazemos escolhas e através dessas escolhas procuramos vivenciar os nossos momentos, e de preferência que sejam bons momentos. Afinal, somos sete bilhões de pessoas no mundo, e se existe algo que a maioria persegue é a ideia da felicidade.
Mas é claro, que todos sabem que não é fácil fazer escolhas, que nos levem sempre a viver bons momentos.
A vida é difícil , está cheia de contingências e acasos, que estão muito além da nossa racionalidade. Podemos até tentar prever as incertezas que virão , mas sempre ficarão variáveis impossíveis de serem percebidas. Quem sabe se tivéssemos um computador quântico conseguiríamos equacionar todas as possibilidades e fazer as melhores escolhas e assim viver as melhores situações?
Nietzsche filósofo que "martelou" a maioria dos valores morais da civilização ocidental fez uma provocação interessante: Pelo seu conceito de eterno retorno, sendo o Universo finito e fechado, e sendo o tempo infinito, viveríamos as mesmas situações, as escolhas,  e possibilidades  eternamente.
Talvez alguns de nós desavisados ficaríamos felizes , porque então poderíamos escolher nossos momentos mais intensos e eterniza-los em nossa vida... mas esperem ... o filósofo do martelo  propõem que além de eternizarmos os momentos mais felizes e intensos, também no pacote, abraçássemos nossos piores momentos, nossas mediocridades, nossa pequenez e a isso chama de amor fati, amor pela vida como ela é , com seus altos e baixos.
Posso inferir a partir desses postuladoss que existe uma ética profunda nessa maneira de ver o mundo, pois ao compreender que tudo se repetirá indefinidamente diante do tempo, em cada atitude, em cada escolha, preciso fazer o melhor, ir em busca da excelência em cada gesto,  palavra,  e prática, afinal conviverei com isso eternamente.