domingo, 3 de abril de 2016

PROPOSTAS DE FELICIDADE

A Psicanálise de  Freud   é um  dos pilares da nossa maneira de perceber o ser humano.
Para o  médico austríaco, somos um conjunto de desejos, de forças e impulsos e assim  muitas vezes estranhos em nossa própria casa.
Um dos  conceitos mais importantes do pensamento freudiano  é o princípio da realidade, do prazer, e o princípio da morte, Tanatus. Eros contra  Tanatus.
Essa idéia ensina que temos um impulso para a vida ,para as realizações, para o amor,para tudo que seja positivo, mas lutando contra isso há uma força contrária,o impulso para a morte, que quer nos levar para a inatividade, para o relaxamento, para o descanso. E invariavelmente Tanatos termina por se impor a realidade humana.
Também na idéia da Psicanálise , a Cultura só pode existir devido ao cerceamento do desejo, e esse desejo não pode ser satisfeito em sua inteireza, é preciso o recalque,  essa energia provocada pelo estancamento do desejo é o que produz nossa Cultura. Portanto para Freud  prazer e desejo são negativos,  uma maneira de criar a vida baseada no amansamento do homem, pois segundo ele não é possível ao homem ser feliz e ao mesmo tempo fazer Cultura.
Percebemos assim, na Modernidade, uma mudança nessa estrutura de pensamento, onde aparentemente, o ser humano tem buscado viver pelo prazer, liberar seu  desejo,tentar através desse impulso primordial ser feliz. Mas a maneira como está sendo direcionado esse impulso, esse desejo latente em cada um , igualmente está  tirando o melhor de nós, porque os líderes mundiais, tem “colado” a noção de prazer e desejo ao consumismo, ao obter as mais modernas tecnologias, que irão nos libertar , que supostamente irão saciar nossos mais íntimos desejos, pelo contrário, tem nos levado a um consumismo e  conformismo preocupantes.
Então, tínhamos no modelo anterior,um  ser humano que poderia realizar uma parte de sua potência, mas precisaria recalcar a outra , para criar a Civilização, um amansamento dos impulsos, para que pudesse haver vida em sociedade, e atualmente outro  modelo que parece soltar as amarras que nos prendiam, liberar o desejo para nos dar a felicidade. Mas essa liberação foi feita de modo, a direcionar o desejo criador,para um desejo de consumir, tirando as capacidades do ser humano de se realizar de fato.
Existiria um  outro modelo possível de ser humano? Como poderíamos finalmente nos emancipar e sermos de fato felizes?

Nenhum comentário:

Postar um comentário