domingo, 3 de abril de 2016

PROPOSTAS DE FELICIDADE

A Psicanálise de  Freud   é um  dos pilares da nossa maneira de perceber o ser humano.
Para o  médico austríaco, somos um conjunto de desejos, de forças e impulsos e assim  muitas vezes estranhos em nossa própria casa.
Um dos  conceitos mais importantes do pensamento freudiano  é o princípio da realidade, do prazer, e o princípio da morte, Tanatus. Eros contra  Tanatus.
Essa idéia ensina que temos um impulso para a vida ,para as realizações, para o amor,para tudo que seja positivo, mas lutando contra isso há uma força contrária,o impulso para a morte, que quer nos levar para a inatividade, para o relaxamento, para o descanso. E invariavelmente Tanatos termina por se impor a realidade humana.
Também na idéia da Psicanálise , a Cultura só pode existir devido ao cerceamento do desejo, e esse desejo não pode ser satisfeito em sua inteireza, é preciso o recalque,  essa energia provocada pelo estancamento do desejo é o que produz nossa Cultura. Portanto para Freud  prazer e desejo são negativos,  uma maneira de criar a vida baseada no amansamento do homem, pois segundo ele não é possível ao homem ser feliz e ao mesmo tempo fazer Cultura.
Percebemos assim, na Modernidade, uma mudança nessa estrutura de pensamento, onde aparentemente, o ser humano tem buscado viver pelo prazer, liberar seu  desejo,tentar através desse impulso primordial ser feliz. Mas a maneira como está sendo direcionado esse impulso, esse desejo latente em cada um , igualmente está  tirando o melhor de nós, porque os líderes mundiais, tem “colado” a noção de prazer e desejo ao consumismo, ao obter as mais modernas tecnologias, que irão nos libertar , que supostamente irão saciar nossos mais íntimos desejos, pelo contrário, tem nos levado a um consumismo e  conformismo preocupantes.
Então, tínhamos no modelo anterior,um  ser humano que poderia realizar uma parte de sua potência, mas precisaria recalcar a outra , para criar a Civilização, um amansamento dos impulsos, para que pudesse haver vida em sociedade, e atualmente outro  modelo que parece soltar as amarras que nos prendiam, liberar o desejo para nos dar a felicidade. Mas essa liberação foi feita de modo, a direcionar o desejo criador,para um desejo de consumir, tirando as capacidades do ser humano de se realizar de fato.
Existiria um  outro modelo possível de ser humano? Como poderíamos finalmente nos emancipar e sermos de fato felizes?

sábado, 2 de abril de 2016

AS MATRIZES DO NOSSO PENSAR!

Pouco percebemos, mas a maioria das ideias que temos a respeito da Vida, da sociedade, da Política, das Ciências enfim de todo o contexto em que existimos  provêm basicamente de três filósofos ocidentais: Sócrates, Platão e Aristóteles.
Esses filósofos propuseram uma nova maneira de pensar, diferente dos pré - socráticos que inquiriam sobre a physis, origem do Universo,  a Natureza e suas causas. 
Sócrates para se ter uma ideia , retirou as questões propostas pelos seus antecessores, do mundo exterior, para a subjetividade humana. Segundo o filósofo, importante era uma vida bem examinada, pois sem essa análise essa vida não valeria a pena. Também fundamental é conhecer os conceitos em sua essência, pois como vamos escolher algo se não temos uma visão clara sobre o assunto? Usando ironia e um método de perguntas dialéticas, Sócrates propunha retirar de dentro das pessoas o conhecimento, pois conhecemos, mas não nos lembramos. Essa proposta é chamada teoria das reminiscências, e Platão informa que nossas almas antes de estarem em nosso corpo, contemplaram as ideias perfeitas. Mas no processo de entrada para a Vida humana essas almas esqueceram-se de tudo  e esse conhecimento estava adormecido na psique. Caberia aos filósofos, a arte de trazer o conhecimento novamente a tona e isso se daria pelo raciocínio, pelo pensar.
Platão nos coloca a questão da dualidade, isto é, o mundo é feito de duas realidades, a sensível e a  inteligível. Estamos inseridos em um mundo dos sentidos e esses nos enganam, não sendo possível  uma compreensão correta das situações usando a experiência como farol. Somente conheceremos a Verdade pela Razão e através dela alcançarmos o Mundo das Ideias, das Formas Puras, , verdadeiro mundo. Esse Platonismo filosófico foi adaptado pelos padres da Igreja, principalmente Agostinho para um paradigmao que começa a dominar a Humanidade depois da Queda do Império Romano: O Cristianismo.  O raciocínio  é que igualmente ao Platonismo, há duas realidades: Vivemos em um mundo sensível, onde estamos sujeitos a diversas vicissitudes, mas existe um mundo Perfeito, feito por Deus, a Ideia Suprema. Como em Platão, nossa alma também é dotada de apetites, mas existe a parte mais nobre( espírito) onde podemos acessar as Verdades eternas. Nessa concepção, assim como em Platão, o corpo é o grande vilão da história, responsável por uma série de imperfeições.
Aristóteles diferente de seu Mestre Platão, valorizava  os  sentidos, acreditando que as ideias não estavam  no além, mas sim dentro das próprias coisas, em essência. Dessa forma, o filósofo é o responsável pelas práticas modernas na Psicologia, Biologia e outras ciências atuais.  A ética também foi uma área muito trabalhada  tendo o mesmo escrito um livro, dedicado a seu filho Nicômaco.
Assim , as matrizes de nosso pensamento são praticamente devidas a esses três grandes pensadores da Antiguidade.
Mas fico a imaginar que ,e se assim não fosse? E, se ao invés desses pensadores, tivéssemos escolhido a Epicuro, a Espinosa e  Nietzsche?  Bem, esse é um pensamento que pode ser debatido em um outro post, mas com certeza, teríamos um mundo muito diferente do que temos hoje!!!

sexta-feira, 1 de abril de 2016

SOMOS TODOS MUITO BONS

O psicólogo Willian James afirma que uma das necessidades mais importantes para o ser humano é ser apreciado. Creio que isso tem início quando ainda estamos nos formando como seres humanos, e pais procuram forjar em nós a melhor imagem possível que teremos no futuro. Nessa tenra idade, somos mimados ao extremo( salvo exceções) e tudo que fazemos normalmente é elogiado pelos progenitores e mesmo nossos fracassos são minimizados.
Certamente isso cria um ego extremamente exigente por aceitação, e muito frágil em relação a crítica, frustrações e opiniões contrárias aquilo que acreditamos.
Nossa cultura também inflaciona nosso eu, ao afirmar que somos a coroa da criação, imagem e semelhança de Deus,  o que talvez seja a origem da nossa pretensa arrogância em dominar e explorar a Natureza, derrubando árvores extinguindo espécies e acreditando que  o Planeta está ai para nos servir Nas Igrejas atuais temos vistos ensinamentos que dizem que devemos exigir de Deus, devemos "colocar Deus na parede" até conquistar o que é nosso por direito. É uma espécie invertida de Evangelho, onde o Criador está a serviço da criatura, como o gênio da lâmpada.
Em pesquisas feitas sobre personalidade as pessoas são inquiridas sobre suas qualidades e defeitos:, e os principais defeitos que temos são: Perfeccionismo! Ninguém chato, invejoso, desonesto,arrogante, malicioso,indolente... somos todos bons demais!!! Esse é o nosso defeito!!!